Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensador

Pensador

Extinção dos Divãs

2016-03-01-15-45-09.jpg

Olá a todos!
 
Alguém ainda se lembra do que são divãs? Esse artigo que tanta utilidade tem e que aos poucos tem vindo a desaparecer das nossas vidas? Para quem não sabe, um divã é uma espécie de cama de molas com um colchão da pior espécie ao ponto de nos provocar lesões irreversíveis na coluna apenas com 2 minutos de utilização. Ainda assim a magia de dormir ali, é inesquecível. 
Quem nunca ouviu aquele doce som das molas a querer "estoirar-nos" as costas não sabe o que é viver à beira do perigo. Caso morem na linha de Sintra não precisam de divãs para isso. Não me parece que o facto das lesões provocadas, sejam por si só suficientes para esta "extinção" dos divãs. Aponto esta responsabilidade, e reparto, por duas situações: os GNR e o aumento da obesidade na população mundial. Todos sabemos que qualquer tema, na voz do Rui Reininho, poderá ter alguma publicidade negativa. Relembro aquele excerto de uma música dos GNR em que o Rui gritava com a sua voz trémula "Atirem-me água fria"... Pois é... A bebedeira é uma coisa tramada... 
Enfim, mas passando à frente, o facto de cantarem que as dunas eram como divãs, trouxe publicidade negativa para os divãs e também para as dunas. Isto a menos que sejam "mirones" e que as dunas até sejam úteis, sobretudo se forem equipadas com divãs e com um frasquinho de óleo. Mas sem dúvida alguma, a grande responsabilidade vai para este aumento de peso da população mundial, que se tornou num caso de saúde pública. Seria ridículo termos em casa um objecto que no máximo aguentaria o peso da roupa de uma pessoa corpulenta! Oferecermos "dormida" a alguém assim, abrindo um divã seria um insulto! Acho no entanto, que podiam ter adaptado os divãs, à realidade dos tempos modernos... Reforçavam a estrutura com vigas, metiam um colchão com a altura suficiente para ser considerado útil para Jogos Olímpicos, e assim poderíamos continuar a ter esse exemplar de mobília. 
Pensem nisto e "ressuscitem" os divãs!
 
Bem hajam!