Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensador

Pensador

Perdão à Patrão

2016-03-17-10-32-01.jpg

Olá a todos! Mais um texto revivalista! Pois bem… Mais um perdão à Grécia? Mas afinal o que somos nós, comparando com eles? Não temos Deuses, mas temos bons queijos e vinhos! Para além disso nalguma coisa temos de ser bons, até porquê treinadores portugueses de futebol na Grécia é coisa que não falta! Posto isto, e depois de pensar que o nosso país não teria qualquer solução para o seu futuro, vejo agora como estava enganado. A nossa única esperança é… Fátima Lopes! Não, não estou a falar da estilista do cabelo curioso! Falo sim da senhora que apresenta actualmente programas de qualidade mais do que duvidosa, bamboleando o seu corpo ao som de música capaz de levantar o bigode ao Hitler! E perguntam vocês como… Pois é! Muito fácil! Basta que, a SIC reponha na sua grelha um programa que partia o coração até ao Vítor Gaspar… O mítico “Perdoa-me”! Já estou a imaginar tudo… A Fátinha de roulote a caminho da sede do FMI, levando na mão uma cassete VHS (para dar um aspecto vintage à coisa). Chegava lá e fazia com que todos os membros do Fundo Monetário Internacional, contassem as suas amarguras com Portugal… Se mostrassem destroçados com todas as experiências em terras lusas… E nisto, aparecia uma lágrima no canto do olho a acompanhar um ligeiro tremor do lábio inferior de cada um dos membros… Já em estúdio, Fátima chamava a República Portuguesa, que vinha em cima de um carrinho de transporte, pois por ser apenas um busto tem algumas dificuldades de locomoção. Bombardeada com as perguntas de Fátima, o busto com os peitos de fora, entra numa espiral de sentimentos e alaga o sofá com o seu desgosto… Eis quando chega o momento apoteótico! A entrada dos membros do FMI lavados em lágrimas e a gritar “Eu perdoo-te”… Quando acaba a 10ª caixa de Kleenex, e quando se tentam ter as últimas palavras deste momento épico, por parte do FMI ouvem-se as seguintes palavras: “Perdoamos a dívida portuguesa quando a Merkl mudar de penteado”... Fez-se silêncio... Que ainda continua. Bem hajam!