Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensador

Pensador

Reflexões Académicas

2016-05-09-11-58-19.jpg

Olá a todos!
 
Ah… Um dos temas que mais gosto de abordar é o da Educação, ou a falta dela. 
Como eu queria que no meu tempo fosse assim. 
Ir para a Escola e em vez de levar com coisas aborrecidas, ver pais a espancarem os professores no meio da sala! 
Ah... Os trabalhos manuais no meu tempo iam desde esculturas com plasticina, a pintar com canetas de filtro... Até a tinta passar para o tampo da mesa. 
Hoje em dia um trabalho manual é quando se consegue fazer com que uma bojarda acerte no professor, consiga fazer uma gota do seu sangue chegar à parede do outro lado da sala, e se cair no chão não conta e certamente chumba-se o ano. 
Passando para o Ensino Preparatório, lembro-me no meu tempo a alegria que havia quando não tínhamos uma aula e podíamos ir fazer vários jogos, que a única coisa que tinham de emocionante, era quando algum de nós ia parar à enfermaria da escola nem que fosse com um pião espetado no peito do pé! Hoje em dia para passarmos o ano e cairmos nas graças dos professores, o mesmo pião tem de ser espetado no meio da testa... Depois de espetado o pião, tem de se desatar à galheta no “Soutor” e se o pião cair entretanto, é nega garantida! Por isso, meninos ouçam o que vos digo: Espetem uma cavilha no vosso pião e as vossas notas serão sempre altas. 
Depois vem o Liceu, altura em que o aproveitamento vem da quantidade de faltas que se consegue dar, e da interação que se tem com os colegas sobretudo nas traseiras do Colombo e atrás dos pavilhões, à base de rajadas de galhetas e espancamentos épicos capazes de tornar o Paco Bandeira num menino de coro no que ao tau tau diz respeito. 
De resto é uma fase aborrecida... Até se ir para a Universidade. Ah essa bela meta! Finalmente podemos estoirar o dinheiro todo dos nossos pais tendo ainda por cima o respeito deles... Momento em que andar completamente encharcado ou embriagado passa a ser um orgulho na família, desde que andemos de capa. 
E depois vem o auge do orgulho familiar... O momento em que se consegue concluir o curso!  Aquele belo momento, em que as capacidades do indivíduo esperam ser testadas ao máximo aplicando todo o conhecimento adquirido. Se bem que a maioria apenas se lembre de que misturar bebidas pode cair mal. 
Sem me alongar muito mais, e tendo em conta os dias que correm, tirar um curso superior é como ir ao supermercado e esquecer metade dos sacos na caixa! 
É que pagamos sempre muito, mas só trazemos metade do que se pagámos.
E tenho uma palavra de esperança para os recém diplomados: Bem-vindos ao mundo do trabalho, mas sobretudo ao mundo do desemprego. O meu conselho? Apliquem o que aprenderam na Universidade e bebam até cair, ou até que os vossos pais vos levem para casa novamente.
 
Nunca desanimem, pensem nas coisas boas da vida, ou nas que não se pagam!
 
Bem hajam!