Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensador

Pensador

Maus Tratos aos Animais

2019-01-14-15-11-45.jpg

 

 
Olá a todos!
 
No fim de semana passado, observei algo que me chocou. Para os que espertos que já estão a imaginar o que terá sido, podem parar com adivinhações à Maya... Não vão certamente adivinhar o que vi. 
Não, não vi nenhum espancamento a um animal, digno de ser considerada uma obra de Mário Machado num cabeleireiro Africano. 
Não, não vi animais demasiado magros com ossos a transparecer, capazes de enviar uma criança etíope para o Biggest Loser... 
E não, não foi nada que faça parte de algum mito urbano que meta cães, armários e manteiga de amendoím.
 
O que me chocou foi ver um cão a passear calçado de sapatinhos de lã! 
A condizer com o casaco, que era tão apertado que a desevoltura que dava ao animal, era ao nível das actuais corridas matinais do Schumacher. 
Há coisas que pertencem a animais e outras que apenas servem os humanos. Calçar o cão com sapatos é como me pedirem para dançar kizomba descalço, em cima de um braseiro...  
Bem sei que muita gente quer ter um animal à sua imagem... Mas não é natural...
 
Isto se não pensarmos que no caso o Cláudio Ramos ter um cão, terão ambos a capacidade de lamber testículos.
 
Bem hajam e não maltratem os animais.
 

Corridas Animalescas

2018-07-06-10-21-56.jpg

Olá a todos!
 
E qual é o tema que está na ordem do dia? Touradas... Ou Corridas de Touros, como preferirem.
 
Ressalvo já que já corri muitas vezes, e nunca me espetaram nada enquanto o fazia... Se calhar é normal, mas nunca me aconteceu.
Vou falar muito de cornos neste texto, pelo que espero não ferir ninguém... Ter cornos não é para todos, mas a quem os tenha, a minha solideriedade. Sem quaisquer ferros nas costas.
Mas o ser humano é muito isto, e desde cedo.
Quem nunca arrancou as asas a uma mosca? Sempre pensei que pousar em cocó preparava para qualquer coisa na vida, mas realmente mutilar é capaz de ser pior. Peço desculpa às muitas moscas verdejantes cujas asas eu confesso ter puxado um pouco demais.
Presumo que um touro numa arena, nem perceba muito bem o que se passa.
Vamos rapidamente fazer um raciocínio... Entro numa praceta cuja saída não vislumbro, ouço cornetas a tocar enquanto pessoas aplaudem, nisto entra um cavalo com fitinhas enquanto é montado por alguém que usa um casaco saído do Regresso ao Futuro Renascimento... Epá, espetem-me um ferro que isto não é fácil de digerir! Ou dois ou três ferros, isto se meterem um bandarilheiro na praceta! Mas continuando... Depois dito tudo aparece um grupo de amigos que ostentam orgulhosamente os seus testículos apertados com calças capazes de mudar o tom de voz de qualquer pessoa. AInda por cima imaginem que esses amigos estão a pedir confusão... É tipo um grupo de betos que vêm pedir a um grupo de motards que lhes desmaterializem a mandíbula! É parvo? É... Mas não pára por aqui...
Não esquecendo os remorsos dos betos terem passado a ingerir líquidos para os próximos dez meses por causa de mim e da violência que eu transpiro, ainda aí vem o melhor... Ou o motivo que me levaria a pedir que me pendurassem pelo pescoço num candeeiro.
Já viram um matador? Já olharam bem para um matador?
Matem-me antes sequer de falar nisto. Antes de me lembrar.
Imaginem depois de tudo o que vos contei, colocarem à vossa frente um homem másculo do alto dos inchaço dos seus testículos, apertados por umas viris leggings tipo corsário e com collants cor de rosa envolvidas numas sabrinas... 
Epa não... Espetem-me já! É que nem preciso pensar naquele chapéu nem na restante roupa, que parece saído do armário do Ken, depois de ele próprio sair do armário!
 
Se me metem numa coisa destas exijo falecer imediatamente... Nem quero pensar em mais nada!
 
Bem hajam e desculpem os sensíveis ao tema... Sei que a vossa paixão por esta tradição é por compaixão para com o animal.