Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensador

Pensador

Futuro Precário

2016-05-13-10-17-15.jpg

Olá a todos!
 
Ok... Acabo de ficar extremamente irritado com a educação que me deram! 
Sempre me foi dito que para ser alguém, teria de estudar e teria de tirar um curso superior. 
Enfim, eu sei que ser do governo não é ser alguém, pelo contrário, mas se até eles não têm dinheiro para as despesas!?
 
O assunto de que muito se falou, acerca da licenciatura do José Sócrates e do Ministro Relvas abriu-me os olhos para a realidade deste Portugal. 
Temos um país com excesso de licenciados, mas temos licenciaturas de 3 anos! Que perda de tempo. 
Tirar o curso num ano, isso sim é sinal de prosperidade e inteligência. Sobretudo quando falamos de cargos estatais, arranjados através de uma influência de alguém com poder! Com tudo pago obviamente, que a vida custa a todos. 
Muita “pestana” deve ter queimado o senhor ex-ministro Relvas. Num ano fazer um curso inteiro! Deve ter queimado não só as pestanas, mas também outros recantos do crânio, o que explicaria tanta coisa. 
Deixo aqui um conselhos aos pais que pensem no futuro dos seus filhos: Se querem que o vosso filho tenha um emprego de sucesso, o segredo não está em estudar, mas sim nos conhecimentos para entrar no mercado de trabalho. E nisto poupam uma fortuna em propinas. 
Resto de bom dia a todos, que eu tenho de ir estudar para viver precariamente!
 
Bem hajam!
 

 

Incha Relvas

2016-05-27-15-24-03.jpg

 

Olá a todos!
 
Lembram-se do Ministro que se licenciou em tempo histórico de uma forma no mínimo duvidosa? 
No outro dia senti-me um homem poderoso! Um homem capaz de fazer parte de um Governo e ser vaiado por todo o povo português! Um orgulho que quase me fez cair uma lágrima… Isto porque me lembrei, de um dos maiores escândalos políticos nacionais dos últimos anos. Deixem-me contar-vos este pequeno episódio, que vos garanto que é verídico! 
Trabalho com diversas instituições, e estou permanentemente ao telefone com muita gente. Tive de ligar para uma universidade de renome numa manhã, e apresentei-me como ****. A conversa decorreu normalmente e o telefonema acabou com os devidos cumprimentos. Da parte da tarde, retornaram-me o telefonema e quando atendi, ouvi do outro lado: “Boa tarde, pretendia falar com o Dr. ****”… O meu coração acelerou e pensei para mim: “Incha Relvas! Precisaste de seis meses!  Eu precisei apenas de um telefonema!”.
 
Bem hajam!