Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensador

Pensador

Anos 80 e Markl

2016-06-14-12-15-44.jpg

 

Olá a todos!
 
Os anos 80 voltam a estar na moda e até uma série recente, escrita pelo grande Markl, foi transmitida no nosso canal público de televisão. Agradeço o revivalismo e permitiu-me recordar algumas coisas.
 
Hoje sinto-me um saudosista musical!
 
Para quem não sabe o que é um saudosista, aconselho a leitura de 2 livros por dia, até terem idade para pedirem a reforma. 
Insultos feitos, hoje acordei a pensar na década de 80, em que a música teve momentos altos, e ainda é para muitos a melhor década musical, não só a nível internacional, mas também em Portugal... Isto se excluirmos o Dino Meira, esse emigrante orgulhoso do seu poder capilar.
 
Para os que se lembram, sabem que devo ter razão. Para os mais novos que não conhecem, usem depois o Google e Youtube para pesquisarem alguns dos nomes que vou citar. Não pesquisem o Dino Meira, se forem fazer alguma refeição nos próximos 30 minutos.
 
Não vos vou falar de todas as músicas emblemáticas, senão tinha de falecer mais tarde do que será expectável, mas deixo-vos com um “cheirinho” da minha opinião. Descansem os mais apreensivos, que não vou falar muito dos Delfins, que apesar de terem nascido nesta década, foi nos anos 90 que tiveram os seus momentos áureos, que curiosamente coincidiram com grandes catástrofes.
 
Quem não se lembra do Elton John e da sua Nikita, daquele olhar apaixonado entre os dois? Pois é! Grande tanga, o Elton John devia estar a "galar-lhe" a maquilhagem!
 
Já o George Michael, que partia os corações das adolescentes, gritava "Wake me Up...", e vou calar-me quanto ao que diz a letra. Vamos apenas pensar que ele tinha um alarme de despertador que lhe dava ânimo para todo o dia...
 
Um artista que sempre me intrigou, foi o Billy Idol... Músicas românticas, cantadas com uma raiva a parecer que ia esmurrar os dentes a alguém, sobretudo à sua amada!
 
Lembram-se da música "I Like Chopin"? Mais um cantor que tinhas dúvidas quanto à sua sexualidade...  Gosta da mulher, mas é o Chopin que lhe eriça os pêlos das pernas e dos testículos! Até porque na década de 80, era moda estar preparado para o frio polar nessas zonas anatómicas.
 
E Bruce Springsteen que nasceu nos Estados Unidos, cantava que tinha nascido nos Estados Unidos e gritava-o com uma raiva que me dava a parecer que havia ali uma qualquer revolta nisso? Penso que com a força com que ele fechava o maxilar, ainda chegou a vaporizar um dente... Penso que ele sozinho, conseguia acabar com parte da Al-Qaeda.
 
Haviam também os Bros, que eram gêmeos do Eduardo Beauté. Dançavam de uma forma tão viril, que acho que foi aí que o Goucha comprou o seu primeiro casaco.
 
Grandes músicas as do Meatloaf... Grandes ao ponto de aborrecerem um idoso acamado! Grandes ao ponto do Fidel Castro perceber que discursos longos, eram uma arma contra a população!
 
Lembram-se da música dos Ghostbusters que tantas perguntas fazia sobre quem íamos nós chamar, em caso de necessidade de ajuda? Aqui em Portugal na altura, não sei… Hoje em dia não chamamos, pois não há ajuda possível!
 
E de repente lembrei-me de um escândalo... Os Mily Vanilly, que não tinham só de parvo o nome, mas também os próprios elementos… Um escândalo quando foi tornado publico que não cantavam, e que as vozes nas músicas eram de outros... Deviam ter sido apedrejados até à morte, e se calhar até o foram, já que nunca mais se ouviu falar neles.
 
Nunca me poderia esquecer do Rei da Pop com o seu "Billie Jean", onde se fala de uma gravidez indesejada e do "Thriller", que deverá ter inspirado séries e filmes de zombies... Continuo a achar que não grande existe diferença, entre zombies e idosos com osteoporose ou carregados de artrites, na forma como se movem e pela forma como gemem... Aquilo são dores reumáticas!
 
Também a Madonna teve um sucesso estrondoso, como o "Like a Virgin", onde ela falava de uma coisa que perdeu praticamente, mal começou a andar.
 
E vamos parar por aqui no panorama internacional, enquanto ninguém comete suicídio! Deixo a melhor parte para o final, já que temos de defender o que é nosso!
 
Não poderíamos deixar de começar pelos grandes Xutos e Pontapés e pelo inovador êxito "Contentores", onde presumo que tenha sido a primeira música no mundo, a abordar a vida dos estivadores!
 
Um dos aparecimentos mais estranhos no panorama musical, foram os Blerif Dada, que podiam muito bem ser uma inspiração para Tolkien, e todo o seu universo "Senhor dos Anéis", sobretudo na língua... Ainda continuo a achar, que quem compunha aquelas músicas, se chamava LSD.
 
Foi nesta década que o Rui Veloso apareceu com o seu "Chico Fininho", letra de elevado grau poético, onde podemos analisar os hábitos de vida de um homem mais leve que uma anorética e que guardava dejectos no bolso, e que a avaliar pelos "Uh Uh" do refrão, hoje em dia se deverá chamar Nicole Marlene.
 
À próxima banda, os Táxi, tiro o meu chapéu! Por outro lado, ofendo-os fortemente pois deveriam ter feito uma música acerca de uma marca mítica de pastilhas: As "Gorila"... Chiclete poderá até ser mais musical, mas as "Gorila" eram as pastilhas que mastigávamos com satisfação na altura, e que são responsáveis pelas falhas na dentição de grande parte da população portuguesa.
 
Quanto aos Delfins, "Um lugar ao Sol" era o que eles queriam! E para mal do mundo, conseguiram-no em parte... Mas vamos passar à frente, que há coisas de que não se devem falar!
 
Uma das músicas mais emblemáticas desta década de 80, tem uma letra que terá sido baseado na alimentação da artista, enquanto os pais não perceberam que tinham tido uma criança ao invés de um animal de quinta... "Foram Cardos Foram Prosas" de Manuela Moura Guedes... Sim ela cantava, e só mais tarde descobriu o jornalismo. Dizem que aos dias de hoje terá aberto uma garagem para cerca de 50 carros, na própria boca.
 
Não se pode falar desta década sem mencionar As Doce... Essas malucas que faziam tudo até "Amanhã de Manhã"... E pela outra música que tinham do "Bem Bom"... Faziam até "Amanhã de Manhã" tudo! Tudinho!
 
E quem não se lembra do "Telepatia" da Lara Li? Era a forma que ela tinha de se relacionar sexualmente, já que as "fufices" não eram muito bem aceites pela sociedade na altura.
 
Nem as alcoviteiras foram esquecidas pela música, e mais propriamente pela homem da boina, o Vitorino. Quem nunca cantou o "Menina estás à Janela" que atire a primeira pedra...
 
Uma das bandas mais inovadoras, os Madredeus, apareceram em força com um tema que poderá mais tarde servir de banda sonora para cinema. O tema "Vaca de Fogo", servirá certamente para musicar o filme da vida de Sónia Brazão. Visionários hein?
 
Termino com o grande Jorge Palma, esse senhor da música, do piano e das grandes bebedeiras... Até em palco! Prefiro não destacar nenhuma música, pois existem várias de qualidade. Espero que o Jorge Palma não fique ofendido, e se ficar que beba para esquecer... E que não se aproxime da Sónia Brazão, apesar de que daria certamente dar um belo fogo de artifício...
 
E não me alongo mais, pois há pessoas que devem ter adormecido há uns parágrafos atrás... Volto a dizer que quem sentir curiosidade, procure por tudo isto no Google e Youtube, e oiçam o misticismo musical da década de 80!
 
Bem hajam... Caso não tenham adormecido!

Grammys com Pó... Muito Pó

2016-10-14-09-40-51.jpg

 

Olá a todos!
 
Venho recuperar um texto de 2011! Sim, leram bem... Tem uns anos, mas queria que ficasse o registo.
 
Como sei que vocês vão todos para a cama depois do jantar e que adormecem a ver as novelas da TVI, achei que vos devia fazer um resumo da cerimónia dos Grammys que ocorreu na noite passada. 
Logo a abrir a noite houve um pequeno tributo a Aretha Franklin, feito por umas moçoilas das quais fazia parte a Christina Aguilera... Realmente quanto mais dinheiro têm, pior... Enfim...  Pela maneira como a menina se apresentou, acho que os fãs a devem ajudar e não devem comprar nem mais um álbum! Eu passo a explicar. É que a menina parece o Malato e o Fernando Mendes juntos depois de um copo de água, mas numa versão loira! Apelo ao boicote aos álbuns da Aguilera a ver se ela passa fominha uns tempos. E a avaliar pela maneira como a vi, não sei se ainda irá a tempo! 
Mas passando à frente, houve uma coisa que me intrigou... 
Durante este tributo enquanto as meninas iam cantando à vez, só se ouviam aplausos quando uma voz-off dizia o nome de quem cantava... O que me leva a crer que no público, não havia ninguém interessado em ouvir aquilo, e nem sequer estavam com grande atenção. 
Entretanto foi a vez de Ricky Martin, que vinha vestido à homem, anunciar a tão aguardada actuação de Lady Gaga que curiosamente desta vez saiu de dentro de um ovo e nem um bifinho nem uma fatia de bacon tinha a acompanhar. De repente lembrei-me que uma tarde bem passada, era vestir a Gaga com bifes como ela gosta, e ir passear até ali a jaula dos leões no Zôo de Lisboa. 
E a Rihanna? Tinha o cabelo cor de sumo de morango, mas daqueles instantâneos que sabem a gomas. Estão a ver quais são? 
Entretanto, e até porque estava curioso em perceber o fenómeno, apareceu o Justin Bieber. Para quem não sabe é um adolescente que tem o cabelo à “Playmobil”, e que vá-se lá saber porquê provoca a histeria na juventude mundial. A mim enerva-me porque, o miúdo tem cara de quem devia ter estudado na Casa Pia e ido passear até Elvas... Ou não sendo tão mau, podia pelo menos ter levado uns chutos bem assentes da Bota Botilde... Enfim! 
Lady Gaga foi galardoada, e quando subiu ao palco para receber o prémio, ao ver a vestimenta dela, fiquei com idéia de que depois da cerimónia ela ia trabalhar “à biscatada” ali na zona do Técnico. 
Bob Dylan apareceu também, mas pelo seu ar só lá foi para fumar qualquer coisa, e alguém o convenceu a actuar... Não se faz! 
Quem passou também pelo palco foi a Miley Cirus, mas desta vez não levava o cachimbo... Ou ficou o Bob Dylan a segurá-lo enquanto ela fazia a sua participação. 
Depois veio mais uma vez um momento “Justino”... Quando o catraio se preparava para arrecadar o prémio de revelação do ano... Pimba! Não ganhou! Estava mais penteado que o costume, e isso faz toda a diferença. 
Seguidamente um momento que muitos esperavam, ver a actuação de Mick Jagger pela primeira vez nos Grammys... E que energia! Penso que ele ficou mais para o final, não fosse ele querer ser engraçadinho e dar uma dentada no palco. Não sei se sabem, mas ele e a Manuela Moura Guedes eram para ter feito um dueto, que ficou imediatamente posto de parte, porque já bastou a crise no Médio Oriente para apoquentar a população mundial. 
Quase a acabar a cerimónia, lá apareceu a veterana Barbra Streisand... O que eu acho de uma violência extrema se pensarmos na hora da transmissão! 
Mesmo no final lá acabei por ver a Cindy Lauper que pelo que parece, ainda gosta da brincadeira de pendurar granadas sem cavilha no céu da boca, e de cuspir o fumo depois delas rebentarem... 
Ah... E pelo meio disto ainda foram distribuindo mais uns prémios, mas isso pouco interessa.
 
E a ver se o Bieber se começa mas é a deitar mais cedo, que ainda é novinho!
 
Bem hajam!
 

Minha Machadinha

2017-03-13-15-53-45.jpg

Olá a todos! 
 
Não vos vou falar da música infantil como estão certamente a pensar, pelo menos para já. Vamos focar-nos noutro ponto: Nos ataques do autoproclamado estado islâmico, sobretudo no ataque à machadada num comboio na Alemanha. As vítimas são basicamente chineses, e não existem mortos a lamentar. Caso houvessem, bastava um casal de chineses e meia hora livre e recuperava-se o número. Começo por dizer que um jovem de 17 anos armado com um machado, era capaz de levar duas ou três galhetas no focinho, caso fizesse o mesmo na Linha de Sintra... Mas vamos dissecar. Tentando imaginar essa situação, numa zona do país que mistura mais raças que a Luciana Abreu, começo já por dizer que até os revisores são seres altamente treinados para lidar com situações extremas. Já estou a imaginar um jovem com um machado e uma faca no bolso, a tentar tirar um bilhete nas máquinas automáticas onde bate o sol de tal forma, que a menos que um obeso se aproxime e provoque um eclipse, fazer com que o tão desejado bilhete seja impresso, seja logo a primeira tarefa difícil para o agressor. Passado este primeiro obstáculo, temos os torniquetes ou portas em acrílico. Aqui a velocidade é fundamental. O tempo entre meter o bilhete e o tempo que a porta depois demora a fechar, faz com que um homem com ejaculação precoce se sinta num acto tântrico. E isto sem contar com o peso de um machado. Passadas estas portas, surgiria a dúvida clássica: Em qual das linhas se apanha o comboio? Simples, basta olhar para os monitores e contemplar os ecrãs levemente apedrejados, certamente por jovens fofinhos e delinquentes. Descoberta em qual das linhas passa o comboio desejado, o jovem armado com um machado teria mais um degrau na sua saga: O revisor. Esse ser implacável, que não tem dó nem piedade em abordar as pessoas e exigir um comprovativo que a viagem tenha sido realmente paga. E neste caso aplicaria uma taxa ao machado. Mesmo que o jovem tentasse a fuga ao revisor, relembro que a preparação física deles estão ao nível da nossa Mamona. Quem não sabe quem é, evitem pensamentos badalhocos e vão-se informar. Para além disso, os revisores têm os testículos do maior que existe, até porque estão habituados à meiguice dos gangues da Linha Sintra, e convenhamos...  O que é um machado, ao pé de um arrastão multicultural? Aos que possam ter ideias parecidas, apenas aviso que para além dos nossos comboios serem altamente seguros contra bestas destas, até porque os utentes são bem mais perigosos, quanto mais não seja às seis da tarde quando o grau de fedor das axilas atinge picos que elevam a taxa de suicídio em transportes; no nosso país desde pequeninos, todos aprendemos a música que coloquei no título. Aposto que ficaram estupefactos... Sim, todos temos um lenhador em nós desde que nascemos... Pelos menos dois, no caso do Malato. Sugiro que ouçam novamente a música prestando atenção à letra e cantem-na com se fosse um hino, aquilo é violência pura! Para os que não sabem, havia sangrentos confrontos entre os apoiantes de duas músicas: Minha Machadinha versus Uma Árvore um Amigo. Por isso, aproveito para dizer que a Linha de Sintra e os portugueses em geral são ossos duros de roer!
 
Bem hajam!