Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensador

Pensador

Heróis do Mar e da Bola

2016-06-30-14-44-57.jpg

 

Olá a todos!
 
Preparando já o que aí vem no que a Futebol diz respeito, recupero uma crónica escrita quando Portugal empatou em 2014 com essa potência do futebol mundial, os Estados Unidos.
Para os que precisam de assistência no raciocínio, ressalvo que as referências ao Euro 2016 num futuro próximo, têm a ver exactamente com isso.
 
Ora e cá vamos nós!
 
E arrefecidos os ânimos da nossa Selecção, e arrefecidos os dos nossos comentadores desportivos relativamente ao empate frente aos Estados Unidos, venho agora eu dar a minha opinião. Pode ser parva mas é um direito que me assiste, pois descontando eu para uma parte das despesas da selecção, posso dizer o que me apetecer. 
Queria apenas pedir para que não usassem o dinheiro dos impostos que me cobram, nas despesas de jardineiro da cabeça do Meireles. Por falar nisso, gostava de saber em que se baseiam os nossos jogadores para fazerem aqueles tracejados na cabeça. Tenho diversas teorias, e sinceramente nenhuma delas é racional ou lógica, o que é coerente com todas as ideias de jogo do Paulo Bento: 
 
- Deixaram um tractor à solta no Hotel e este acabou por fazer aqueles desenhos nas cabeças dos jogadores. Apenas Meireles foi visto a correr atrás do tractor, o que poderá explicar muita coisa; 
 
 - Aquelas cabeças fazem-me lembrar Nazca, o que indicará que ET´s andaram a brincar com o Nani, Ronaldo e mais alguns;
 
- Por último e presumo que a hipótese mais realista, acho que é puro mau gosto e falta ideias para ocupar o tempo.
 
Mas voltando ao jogo jogado que é o que mais interessa, sobretudo ao nosso PIB, voltámos a mostrar o poder mental e criativo do nosso povo... Tornámos a mostrar que apesar das nossas limitações, queremos tudo o que os outros irão alcançar muito mais facilmente que nós.
Sei que é positivo querermos mais e batalharmos para isso, mas o "batalhar" é importante. Ninguém ganha guerras de braços cruzados, convençam-se disso!
Vamos ser realistas e ser melhor que os outros, mas com organização e planeamento! Isto vale também para os nossos governantes (a letra minúscula aqui é importante).
Uma das coisas que nos limita é pensarmos que somos bons, apenas porque sim...
Ronaldo apesar de muitas vezes ser criticado, é um jogador de trabalho, de esforço... É isso que temos de ter em mais uns quantos jogadores.
Continuamos a achar que ter um pénis grande, é suficiente para o resto! Não é... É preciso vontade, capacidade e querer para lá chegarmos!
Como em tudo na vida, seja em que país for...
O sucesso alcança-se quando se pode, quando se quer e de forma paciente...
Para concluir, queria pedir a todos que deixassem de usar tufos debaixo das narinas... Para além de inestético, é capaz de inibir um bom arejamento das fossas nasais... Os bigodes ficaram no passado. Agora é barba completa!
 
Como diz o nosso Hino: "Heróis do Mar, nobre povo, nação valente..."; mas que de imortal pouco tem, como comprovam as lesões e estado pouco vivaz dos eleitos por Paulo Bento.
 
E agora vou indo pois tenho de ir "dobrar" o Cabo Bojador.
Para quem não sabe o cabo Bojador, não é um utensílio de oficina!
 
De seguida, deixo-vos a táctica, para termos sucesso neste Euro 2016, que se joga em França... Terra onde se fala demasiado Francês quanto a mim.
 
Para conseguirmos vencer e marcar golos, é necessário motivar os jogadores... Como? Não sejam apressados e leiam:
 
Rui Patrício: Para motivar o Rui, basta dizer-lhe que para o Ano será campeão nacional... E não mencionar o nome do Sporting.
 
Anthony Lopes: Oferecer-lhe um CD de um qualquer artista pimba, para animar as comunidades portuguesas no estrangeiro.
 
Eduardo: Um voucher com livre-trânsito num ginásio para fazer cárdio com a namorada.
 
Bruno Alves: Dar-lhe uma boneca insuflável que não rebentasse a cada cabeçada, cotovelada ou pontapé na cabeça.
 
José Fonte: Um contrato de patrocínio de uma marca desportiva vendida pela família do Quaresma.
 
Eliseu: Um curso intensivo de como defender no futebol, dado pelo Pedro Guerra.
 
Vieirinha: Se querem que ele marque golos, prometam-lhe um tratamento de crescimento.
 
Cédric: Era baptizá-lo novamente com um nome que não lembrasse as histórias da Távola Redonda.
 
Ricardo Carvalho: Elogiem o seu jogo, nunca mencionando que ele tem a idade do José Cid mesmo tendo mais uma vista e quase o mesmo cabelo.
 
Pepe: Não o recordem da sua passagem pelo Sporting.
 
Raphael Guerreiro: Basta oferecer um cheque prenda do Toys S´Us e um galão na estação de serviço mais próxima.
 
William Carvalho: Façam-lhe ver que aquele bigode só fica bem ao Samuel L. Jackson.
 
João Moutinho: Oferecer-lhe o bigode do William a ver se ele se sente mais homenzinho.
 
João Mário: Não precisa de factores motivacionais.
 
Danilo: Pedir aos Super-Dragões que o ajudem a treinar velocidade explosiva.
 
Renato Sanchez: Renovação do Cartão do Cidadão, mas com a data de nascimento de 2000.
 
Adrien: Curso de Português por Jorge Jesus.
 
André Gomes: Meter-lhe pesos nos pés, para ele ser mais terra-a-terra.
 
Rafa: Uma gilete e a promessa de treze virgens.
 
Nani: Convencê-lo que os mortais que ele dá a comemorar golos, dão orgasmos triplos à sua mulher.
 
Quaresma: Dizer-lhe que dentro da baliza, está um anel de diamante, um tatuador e um banca de gangas à sua disposição.
 
Éder: Part-Time como repositor do Mini Preço.
 
Cristiano Ronaldo: Colocar um poster de uma vagina na baliza e dizer-lhe que é de uma Miss Bumbum.
 
E pronto é isto... 
 
Bem hajam e não cheirem as mãos depois de as colocarem em zonas íntimas! 

Besta da Economia

2016-07-04-13-18-05.jpg

Olá a todos!
 
Texto escrito há mais de 1 ano, pelo que peço que entendam alguma desactualização... Se não perceberem vão-se lixar, mas só depois de ler! Ora bem, cá estamos mais uma vez, para comentar uma frase de um génio da economia e das frases socialmente mais sensíveis, que alguma vez ouvi: “Aumentar o salário mínimo, é estragar a vida aos pobres”… Pois… O génio atrás desta bela construção oral, é o economista João César das Neves “A Besta”. Antes de mais, permitam-me corrigir… Não será um génio, pois com os dois ou três reis que tem na barriga, nem que se esfregue a lâmpada com um esfregão de arame, há-de conseguir sair de lá de dentro. 
 
Gostaria de dizer que até não discordo deste senhor, e antes de me começarem a insultar, permitam-me que explique. Com todas as preocupações acerca da Saúde das autoridades mundiais, deixem-me dizer que se as pessoas não ganharem mais, trava-se à partida, o aumento da obesidade. As pessoas que se alimentam bem, normalmente têm mau aspecto e a elegância é coisa que lhes é desconhecida. Vamos então promover a fome, e assim viveremos todos num mundo mais elegante. Este economista de topo diz também que, Portugal vive uma crise demográfica com razões culturais, e não económicas… Mais uma vez aplaudo este senhor, que cada vez que abre a boca, demonstra que afinal não é só na Assembleia, que ouvimos frases bonitas e meiguinhas para com um povo, que afinal está é mal habituado e pelos vistos ainda vive à grande.
 
Gostaria de salientar que para além de demonstrar preocupação com toda uma classe, que pelos vistos é privilegiada, o João César das Neves, devia pedir que os pobres fossem apedrejados e abatidos, pois isso é uma demonstração de carinho puro… Para finalizar em beleza, e porque normalmente quando vamos evacuar, quando pensamos que estamos despachados temos de nos render novamente aos pedidos do organismo, eis que o Joãozinho “cospe” mais uma pérola: “Algo de bom está a acontecer na sociedade portuguesa, mas que isso não é visível”… Não só não é visível, como é uma frase parva… Mas afinal eu não sou economista, sou apenas pobre…
 
Sugiro que deste belo economista, se façam uns sapatinhos para hipopótamos e que depois sejam oferecidos à Popota… Ou vistam-no de polícia, e metam-no de frente para o Jorge Jesus, fica ao critério de cada um. Vou por isso preparar-me para não ter a vida estragada, e para ser apedrejado…
 
Até um dia, se a fome e se o Passos deixarem… E se o Sr. Economista parar com a diarreia verbal.
 
Bem hajam!

 

Web Summit

2016-11-08-07-33-59.jpg

Olá a todos! Recupero um texto escrito aquando do primeiro Web Summit, no ano passado. Achei que devia partilhar convosco. E como é do conhecimento de todos, Lisboa recebe o Web Summit, que para os menos atentos é uma concentração de pessoas empreendedoras, conferências e eventos com o foco nas estruturas empresariais e Start-Ups emergentes... Resumindo, é uma cena que mete muita gente como os portugueses gostam de organizar. Ontem foi a abertura e relembro que a temperatura ambiente na rua, era de fazer congelar os testículos a um urso polar. E perguntam vocês porque falo da temperatura? Pois... É que os bilhetes vendidos para o interior da Meo Arena eram mais do que os lugares disponíveis, e quem não entrou pode assistir à cerimónia onde? Com o real rabiosque sentado nos degraus do pavilhão, enquanto olhavam para os ecrãs colocados propositadamente. Presumo que neste momento estejam a descongelar ainda algumas das pessoas. Para os que gozam com alguns idosos que com a sua experiência, levam sempre um banquinho ou cadeira de campismo para todos os eventos, podem calar as vossas mentes acéfalas e vergar-se a quem nunca tem de sentar o traseiro nas pedras geladas do chão. A minha vénia aos idosos. São geniais. Mas ainda assim o momento alto da noite não terá sido esse, pois de rabos gelados não reza a história. Foi sim, aquele momento mágico em que numa conferência virada para as novas tecnologias, falha o WiFi! Caros amigos, todos nós sabemos que pode faltar tudo numa casa, num café, num evento... Mas não o WiFi. Onde se ligam todos os aparelhos desenvolvidos pela humanidade nos últimos tempos? Como respiramos sem WiFi? Como acedemos com os nossos Smartphones a tudo acerca do evento onde estamos? Não basta olhar para um palco, é necessário partilhar todos os conteúdos inerentes! Inadmissível! De qualquer forma, admiro a forma como deram à volta à situação e moveram a multidão para o palco. É nisso que somos bons, é nisso que Portugal se revê... Poucos meios mas muita alegria criativa. Bem hajam!