Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensador

Pensador

Web Summit

2016-11-08-07-33-59.jpg

Olá a todos! Recupero um texto escrito aquando do primeiro Web Summit, no ano passado. Achei que devia partilhar convosco. E como é do conhecimento de todos, Lisboa recebe o Web Summit, que para os menos atentos é uma concentração de pessoas empreendedoras, conferências e eventos com o foco nas estruturas empresariais e Start-Ups emergentes... Resumindo, é uma cena que mete muita gente como os portugueses gostam de organizar. Ontem foi a abertura e relembro que a temperatura ambiente na rua, era de fazer congelar os testículos a um urso polar. E perguntam vocês porque falo da temperatura? Pois... É que os bilhetes vendidos para o interior da Meo Arena eram mais do que os lugares disponíveis, e quem não entrou pode assistir à cerimónia onde? Com o real rabiosque sentado nos degraus do pavilhão, enquanto olhavam para os ecrãs colocados propositadamente. Presumo que neste momento estejam a descongelar ainda algumas das pessoas. Para os que gozam com alguns idosos que com a sua experiência, levam sempre um banquinho ou cadeira de campismo para todos os eventos, podem calar as vossas mentes acéfalas e vergar-se a quem nunca tem de sentar o traseiro nas pedras geladas do chão. A minha vénia aos idosos. São geniais. Mas ainda assim o momento alto da noite não terá sido esse, pois de rabos gelados não reza a história. Foi sim, aquele momento mágico em que numa conferência virada para as novas tecnologias, falha o WiFi! Caros amigos, todos nós sabemos que pode faltar tudo numa casa, num café, num evento... Mas não o WiFi. Onde se ligam todos os aparelhos desenvolvidos pela humanidade nos últimos tempos? Como respiramos sem WiFi? Como acedemos com os nossos Smartphones a tudo acerca do evento onde estamos? Não basta olhar para um palco, é necessário partilhar todos os conteúdos inerentes! Inadmissível! De qualquer forma, admiro a forma como deram à volta à situação e moveram a multidão para o palco. É nisso que somos bons, é nisso que Portugal se revê... Poucos meios mas muita alegria criativa. Bem hajam!